Warning: Declaration of ES_Text_Diff_Renderer::_lines($lines, $prefix, $class) should be compatible with Text_Diff_Renderer::_lines($lines, $prefix = ' ') in /home/w3alpha/www/tecnologia/wp-content/plugins/exploit-scanner/exploit-scanner.php on line 834
Arquivos informação - W3alpha Tecnologia

informação

Tecnologia Educacional

493668_69476274

A Tecnologia Educacional pode ser descrita como a aplicação de recursos tecnológicos diversos em prol do desenvolvimento educacional e da facilidade ao acesso à informação.

A Tecnologia Educacional não é nenhuma novidade, muitas instituições já adotaram este ótimo recurso de desenvolvimento pedagógico: Unidades Escolares, Centros de Treinamento, Atividades de Recrutamento, Clínicas de Psicopedagogia entre outras modalidades de negócio.

Existem diversas Tecnologias que auxiliam na disseminação dos conteúdos educacionais, mas como em toda aplicação pedagógica, o acompanhamento profissional é indispensável, entende-se que a tecnologia facilita à maneira de educar, mas não extingue o educador.

O recurso mais conhecido sem dúvida é o software. Pode ser produzido nas diversas linguagens de programação e aplicado em sistemas operacionais de código aberto ou não. O fator que impulsiona o desenvolvimento do software é a facilidade já proporcionada pelas ferramentas padrões de usabilidade (teclado e mouse), através das ferramentas de entrada de dados já conhecidas os usuários apresentam menos resistência à utilização. Por padrão não necessitam de interfaces gráficas avançadas e podem ser utilizadas em Microcomputadores de custo acessível.

Os softwares não são capazes de envolver muitos indivíduos simultaneamente, mas compensam em objetividade. Para educar com esta tecnologia o usuário alvo deverá dispor de requisitos básicos em percepção, raciocínio e alfabetização. Os Softwares Educacionais são boas opções para trabalhar assuntos complexos individualmente.

O desenvolvimento de jogos é mais restrito quanto à linguagem de programação, além disso, o desenvolvimento Multiplataforma é mais complexo, tornando necessário fazer diferentes versões do jogo para cada Sistema Operacional. A diferença mais acentuada entre Jogos Educacionais e Softwares são os recursos gráficos, que apelam para cenários e personagens, desta forma trabalham o conteúdo de maneira mais lenta. Esta tecnologia abrange diferentes públicos e aplica-se tanto aos usuários em desenvolvimento quanto aos desenvolvidos. Outra característica dos Jogos são os recursos audiovisuais que vão além da sonoplastia e das belas imagens, possibilitam que o usuário interaja com a plataforma através de microfone e webcam, fator chave para prender a atenção dos mais dispersos. Neste modo de aplicação pode-se trabalhar em turmas fazendo confronto entre equipes, aguçando ainda mais o interesse do grupo. Este tipo de tecnologia normalmente exige equipamentos de qualidade superior, logo o custo é maior.

Existem para Download na Internet Sistemas Operacionais de Código Aberto que alocam consigo material educativo, sejam Softwares ou Jogos Educacionais. Estes Sistemas são moldados para utilização em turmas de alunos, acompanhados por Educadores com conhecimento básico em Informática. Neles são encontrados conteúdos programáticos das matérias do ensino infantil e fundamental e até mesmo aulas prontas. Entretanto para desfrutar dos conteúdos é necessária a instalação do sistema operacional.

A aproximação entre Tecnologia e Educação é cada vez mais perceptível no Brasil. Em países desenvolvidos onde a maturidade tecnológica é maior, a aplicação têm se mostrado muito eficaz no desenvolvimento sócio-educativo. Em nosso país o custo para aquisição de tecnologia continua elevado e a educação da população insuficiente para adoção em grande parte do território Brasileiro. Muitas cidades metropolitanas já desfrutam da Tecnologia Educacional para o Ensino Público, assim como já acontecia no Ensino Particular.

Fonte: Oficina da NET

Falha de segurança

agt_virussafe

Uma falha de segurança,  é como qualquer outro erro em um programa de computador. A diferença é que, em vez de simplesmente causar travamentos ou impossibilitar o uso de alguma função do software, a falha de segurança pode ser aproveitada por alguém que busca atacar e invadir o seu sistema.

Por exemplo: um erro em um software de mensagem instantânea pode, por algum motivo, fazer com que outras pessoas não vejam a foto de exibição (avatar) que você configurou. Essa é uma falha que gera apenas um incômodo. No entanto, uma falha de segurança nesse mesmo recurso poderia permitir que uma imagem especificamente feita por um hacker seja capaz de, ao ser baixada pelo software, imediatamente executar um código (vírus) no seu computador.

O Windows Live Messenger já sofreu de um problema semelhante, que obrigou a Microsoft a impedir os usuários com a versão vulnerável de fazer log-in e usar o serviço. Com isso, criminosos nunca chegaram a conseguir explorar a falha com sucesso.

Um vírus não precisa, necessariamente, utilizar uma falha de segurança. Uma praga digital pode também depender da ação do usuário (por exemplo, um anexo executável ou link em um e-mail), de recursos do sistema operacional ou do computador (como o Autorun em pen drives, ou execução de um setor de boot em disquetes). Um vírus ainda, na sua concepção mais clássica, pode alojar-se dentro de um programa legítimo para que seja executado junto dele.

No entanto, um vírus que explora uma falha de segurança tem maiores capacidades e pode ser mais difícil de evitar. Via e-mail, um vírus pode se alojar em um arquivo que não é executável (como um documento que, ao ser aberto pelo processador de texto, irá explorar uma falha) ou, em um caso mais grave, permitir que a simples visualização do e-mail, ou mesmo apenas o download da mensagem, já resultem em uma infecção.

O detalhe é que nada disso é possível sem uma falha de segurança. Daí a importância de manter o sistema operacional e outros softwares instalados sempre com todas as atualizações de segurança. Isso impede ataques difíceis de evitar como esses, restando apenas os ataques em que você precisa executar um aplicativo para ser infectado.

O mais comum hoje são os ataques em que você pode ser infectado meramente visitando uma página de internet, sem ter nenhuma chance de parar ou desautorizar a instalação de um vírus. A maneira de evitar isso, também, é atualizando o navegador web e todos os plugins, como Flash, Java e reprodutor multimídia.

A única exceção são as falhas dia zero, que são aquelas falhas que usadas antes mesmo de o desenvolvedor ter a chance lançar uma atualização. No entanto, essas brechas são raramente usadas contra usuários comuns, sendo reservadas para ataques a empresas e outros alvos de maior importância.

A maioria dos antivírus tem uma versão específica para empresas, normalmente com licenciamento facilitado, contrato de suporte priorizado e, principalmente, gerenciamento centralizado do software. Com isso, é mais fácil saber se todos os antivírus estão atualizados e protegendo os computadores adequadamente e configurando todos ao mesmo tempo.

Vale a pena entrar em contato com a fabricante do antivírus ou um revendedor e solicitar auxílio para saber se compensa ou não migrar para a versão corporativa do software.

Fonte: Altieres Rohr é especialista em segurança de computadores