Warning: Declaration of ES_Text_Diff_Renderer::_lines($lines, $prefix, $class) should be compatible with Text_Diff_Renderer::_lines($lines, $prefix = ' ') in /home/w3alpha/www/tecnologia/wp-content/plugins/exploit-scanner/exploit-scanner.php on line 834
Arquivos 4G - W3alpha Tecnologia

4G

Nexus 4 tem 4G oculto

nexus 4g

O Nexus 4 foi anunciado pelo Google sem suporte a 4G em nenhum país. No entanto, quando o aparelho foi desmontado pelo iFixit, descobriu-se que ele tem um chip LTE inativo dentro dele. Agora, esse chip pode ser ativado para trazer 4G ao aparelho.

Diversos usuários no fórum XDA tentaram arranjar alguma forma de ativar o 4G no Nexus 4. A LG explicou que a ausência de amplificador e filtro de sinal tornaria isso impossível, mas o aparelho consegue lidar com a conexão de alta velocidade. Ou quase.

Desenvolvedores mostraram que o aparelho da LG pode ser forçado a usar uma rede LTE, mas apenas na banda LTE 4, que funciona a 1700MHz e 2100MHz. Infelizmente, no Brasil usamos a banda LTE 7.

Mesmo assim, é um feito impressionante. E simples: basta discar *#*#4636#* e ativar o 4G. A descoberta corrobora o que o Anandtech disse na semana passada:

“A banda 4 (AWS) poderia basicamente ser ativada com os amplificadores de potência e o transceptor que já estão no Nexus 4, mas de novo, no fim depende da própria fabricante se o LTE será suportado.”

Dito e feito! Nos testes em vídeo, feitos principalmente por usuários no Canadá – onde se usa a banda LTE 4 – o aumento de velocidade parece muito bom, mesmo em relação ao 3G+ (HSPA). No vídeo acima, o LTE alcança 16Mbps no download (contra 10Mbps no 3G+).

Por que o Google decidiu não fornecer suporte a 4G? Provavelmente para garantir um preço baixo ao Nexus 4. Para dar suporte a LTE, seria preciso incluir hardware adicional, além de licenciar certas patentes. Além disso, como há diversos bandas LTE ao redor do mundo, o Google teria que criar diversas versões do mesmo aparelho – o que seria um problema para manter custos baixos.

No entanto, o 4G está aí: o truque é possível apenas com um simples ajuste de software.

 

Fonte: MSN

iPhone 5 pode ter sido o último projeto de Steve Jobs

   iphone5 Enquanto todos acreditam que o iPhone 4S, último lançamento da Apple, foi o último da era Steve Jobs, um analista da consultoria americana Rodman & Renshaw afirma que o iPhone 5, que será lançado em 2012, foi o último grande projeto de Jobs. “Ele esteve envolvido intimamente com este projeto, do conceito ao design final, porque este novo produto estabelecerá a marca do volume de vendas do iPhone”, escreveu Ashok Kumar em um artigo, segundo o site Cnet.
Segundo o analista, nesta nova versão o smartphone será mais fino e terá uma maior área de tela, apesar de manter as dimensões do iPhone 4S e do iPhone 4, que possuem tela de 3,5 polegadas. O novo aparelho também deve suportar redes de telefonia de quarta geração, também conhecidas como 4G ou LTE, que oferecem velocidade até 50 vezes maior que das redes atuais.

Outra fonte citada pelo site Cnet afirmou que o iPhone foi totalmente redesenhado na nova versão. “Este é um grande projeto que Jobs dedicou todo seu tempo para concretizar. Ele não se envolveu no iPhone 4S, pois seu tempo era limitado”, disse a fonte ao site. De acordo com Kumar, o iPhone 5 deve ser anunciado durante a WWDC, conferência para desenvolvedores da Apple, que será realizada próximo à metade de 2012.

Versão 4 ganhou redesenho

A previsão de que o iPhone 5 pode ganhar design e funcionalidades totalmente diferentes do antecessor faz sentido, já que a Apple fez o mesmo ao lançar o iPhone 4. Entre o lançamento da versão 3 e da versão 4, ela lançou o iPhone 3GS que, assim como o iPhone 4S, ganhou mais melhorias internas (de processador e de aplicativos) do que “cosméticas”.

Além das mudanças no visual, um novo recurso que poderia fazer parte do “redesenho” do iPhone é o suporte a redes de alta velocidade (LTE) que começam a ser implementadas em diversos países, como Estados Unidos e Japão. Os concorrentes da Apple, como a Samsung, já oferecem aparelhos com suporte às novas redes, contudo alguns usuários ficam frustrados em comprar um produto já preparado para a tecnologia, mas que tem pouca disponibilidade.