Por que tanta confusão com um simples canudinho plástico?

O canudo é utilizado por uns 10 ou 15 min e jogado fora, qual o problema?

O problema é enorme, pois este mesmo canudo utilizado poucos minutos, leva 500 anos para se decompor na natureza.

História do uso do canudo
Os primeiros canudos datam de 3.000 a.C.. Eles foram feitos pelas sumérias para evitar os subprodutos sólidos da fermentação da cerveja, que ficavam no fundo do copo. O canudo era basicamente um tubo de ouro enfeitado com pedras preciosas azuis, lembrando a bomba de chimarrão e de tererê utilizada pelos gaúchos.

Em 1800, o canudo de centeio (ou palha) se tornou popular por ser barato e macio. A desvantagem é que ele se desfazia facilmente com o contato com a água e dava sabor de centeio a todas as bebidas. Para resolver esse problema, surgiu o canudo de papel, que, em 1888, foi adaptado e patenteado por Marvin C. Stone.

Impacto ambiental
Com a invenção do plástico, os canudinhos passaram a ser feitos em larga escala com esse tipo de material.

O canudinho de plástico representa 4% de todo o lixo plástico do mundo e, por ser feito de polipropileno e poliestireno (plásticos), não é biodegradável, podendo levar até mil anos para se decompor no meio ambiente!

A produção do canudinho de plástico contribui para o consumo de petróleo, uma fonte não renovável; e seu tempo de uso é muito curto – cerca de quatro minutos. Mas o que são quatro minutos para nós equivalem a centenas de anos de poluição para o meio ambiente.

Presente nas praias, o canudo de plástico também é fonte de formação de microplástico, o formato mais prejudicial do plástico, que já está presente nos alimentos, no sal, nos organismos e até na água potável do mundo inteiro.

Mesmo se descartado corretamente, e levado para aterros legalizados, o canudinho pode escapar pela ação do vento (principalmente por ser leve) e ser carregado pela chuva para mares e rios, impactando toda a fauna aquática.

Alternativas ao canudinho de plástico
Se você não dispensa um canudo, existem opções a venda nos mercados e que poderá carregá-lo sempre com você:
– Canudos de papel
– Canudos de silicone
– Canudos de bambu
– Canudos de palha
– Canudos de vidro
– Canudos de metal e até mesmo a bomba de chimarrão pode ser transformada.

Mas que tal utilizar o bom e velho copo?
Só não pode ser descartável!

12 – Adaptabilidade

Estamos no meio de uma mudança de Era. Vivemos hoje em um mundo incerto e, de certa, forma até imprevisível por conta de tantas mudanças acontecendo simultaneamente e com uma velocidade sem precedentes.
 
Um artigo muito bacana da Harvard Business Review diz que a Adaptabilidade é a nova vantagem competitiva – e isso vale para profissionais e organizações.
 
Adaptabilidade é a habilidade que fez com que nós, seres humanos, conseguíssemos chegar até aqui. Atravessamos séculos evoluindo, criando, inventando, acelerando nosso desenvolvimento ao longo da história.
 
Ou seja, o recado da vida é claro: o mundo gira. E não para. Daqui um tempo, todas as novas tecnologias que hoje ainda estão no início de seu desenvolvimento vão se popularizar.
 
Quando nossos filhos, netos e bisnetos falarem sobre Inteligência Artificial, Robôs e Realidade Virtual, será como falamos hoje do Computador, do Celular, da Internet
 
O que hoje vemos como novidade, em muito pouco tem será comum. Será o “normal”. Será o status quo. E você? Vai olhar apenas para suas conquistas do passado? Ou está disposto a desenvolver novas habilidades, conhecer novas tecnologias, novas estratégias?
 
O quanto você tem a capacidade de ler o cenário e os sinais de mudança para se antecipar e criar estratégias para se antecipar e transformar a sua empresa, seus produtos e serviços – e até você mesmo?
 
Por isso, é bastante razoável dizer que ADAPTABILIDADE será “a” habilidade a ser desenvolvida em um mundo de mudanças aceleradas.
 
Desenvolver a adaptabilidade é o que vai diferenciar aqueles que estarão à frente das mudanças daqueles que não conseguirem se adaptar. Exemplos no mundo corporativo não faltam: Nokia, Kodak, etc.
 
Como profissional, a adaptabilidade vai permitir que você identifique oportunidades onde os demais somente veem problemas. Vai lhe propiciar oportunidades de crescimento.
 
A adaptabilidade vai possibilitar que você se torne mais flexível e não nade contra a corrente. E, principalmente, vai permitir que você experimente, teste novas abordagens, aprenda com essas experiências e lidere a mudança.
 
****
 
Em qualquer processo disruptivo e de mudança, nós temos duas opções: nos colocar como plateia ou como protagonistas deste processo. Não dá para adivinhar o futuro, mas a gente pode criar as condições para nos preparar de forma pró-ativa.
 
Estamos em um momento histórico de transição. Não há respostas prontas e absolutas.
 
Mas, como diz Clayton Christensen, um dos papas da Inovação, sairão na frente aqueles que começarem a jogar esse NOVO JOGO ANTES que o velho jogo termine.
 
Prepare-se por que o futuro já está virando a esquina!
Fonte: Futuro S/A

11 – Preparar-se para um mundo de profissões totalmente novas

À medida que as empresas utilizarem mais as novas tecnologias, MAIS TALENTOS serão necessários para criar, gerenciar e desenvolver SOLUÇÕES totalmente NOVAS – e que sequer surgiram ainda.
 
Um estudo da Gartner mostrou que, nos EUA, apenas 30% das novas posições relacionadas à Era Digital serão preenchidas nos próximos anos.
 
Mas, ao mesmo tempo que é um desafio, é tb uma baita oportunidade para quem quiser sair na frente. Só para ter uma ideia, veja os números de vagas no LinkedIn (worldwide) que já existem relacionadas a algumas novas profissões desta Era Digital:
 
3D: 70 mil
Machine Learning: 38 mil
Data Scientist: 28 mil
Robotics: 14 mil
Artifical Intelligence: 11 mil
 
Não é muito se compararmos, por exemplo, a posições que existem hoje em Vendas ou Marketing. Mas se buscarmos por “Digital” (worldwide) já surgem + de 450 mil vagas.
 
Neste bolo vc verá profissões TOTALMENTE NOVAS. E que ainda são muito poucos profissionais que dominam esses conhecimentos. Mas TAMBÉM verá profissões que JÁ EXISTEM, mas que demandam, de alguma forma, competências digitais.
 
Isso tende a se intensificar por conta do surgimento de profissões que nem existem ainda. E também por conta das profissões que vão deixar de existir por conta do avanço das novas tecnologias.
 
Em linha com a tendência de nos tornarmos profissionais híbridos, o que veremos cada vez mais são novas profissões que vão combinam diferentes áreas de expertise. Veja esses 2 exemplos que estão um pouco mais próximos da nossa realidade:
 
Agricultor Vertical: Uma profissão fundamental no futuro para centros urbanos – seja para produzir alimentos mais próximos do consumidor final ou para revitalizar áreas degradadas. É uma profissão que vai demandar conhecimentos de Agronomia, Engenharia, Tecnologia, Administração e Arquiterura.
 
Conselheiro de Aposentadoria: Uma profissão que será fundamental para um mundo onde viveremos cada vez mais e precisaremos de ajuda para pensar sobre decisões financeiras, de carreira e gestão do patrimônio que será construído ao longo da vida útil. Uma profissão que vai demandar uma combinação de conhecimentos em Carreiras na Era Digital, Gestão de Patrimônio, Investimentos Financeiros e Novas Tecnologias.
 
Um novo mundo, com novas profissões, novas oportunidades – e com tantas possibilidades… quem sabe você não poderá criar a sua própria profissão, não é verdade?
Fonte: Futuro S/A

10 – Capacidade de criar estratégias de vida e carreira para uma vida que vai ultrapassar os 100 anos

Sua vida profissional será moldada pelas mudanças nos padrões de longevidade.
 
Já é certo que nós vamos viver muito mais tempo do que os nossos pais. Com os avanços da ciência e da medicina, as previsões da expectativa média de vida vai chegar (ou até ultrapassar para os mais otimistas) aos 100 anos de idade.
 
E, por conta disso, em muitas regiões, haverá uma proporção MUITO maior de pessoas com mais de 60 anos o que temos hoje. Essas pessoas, na verdade, serão a maioria. Algo que já ocorre em países como o Japão e alguns países da Europa.
 
Bom, se você vai viver por mais tempo, você vai precisar de recursos para viver.
 
Os filhos já estarão criados, mas os custos relacionados às pessoas com mais de 70 anos (saúde, medicação, entre outros cuidados) crescem assustadoramente. E depender da aposentadoria pública (INSS) nem pode ser considerada uma opção…
 
Desta forma, você precisa estruturar, desde já, uma estratégia de longo prazo. Você terá que escolher, pelo menos, uma das três opções abaixo… Se possível, até combinar as três opções:
 
OPÇÃO 1: Construir uma carreira que permita que você trabalhe por mais tempo (pelo menos até os 70 anos de idade).
 
OPÇÃO 2: Guardar uma parte significativa de sua renda ao longo de toda a sua vida útil para o momento em que você precisar de renda e não tiver mais condições físicas de trabalhar.
 
OPÇÃO 3: Considerar maneiras de reduzir o seu consumo e viver de forma mais simples.
 
Não importa qual das três opções você vai escolher – mas é certo que você vai ter que fazer pelo menos uma destas três opções… E desenvolver habilidades para este futuro próximo é essencial para você não só profissionalmente, mas também considerando a sua qualidade de vida no futuro.
Fonte: Futuro S/A

9 – Capacidade de criar conexões

As conexões que vc irá desenvolver ao longo dos anos serão um dos maiores ativos que vc terá na carreira nos próximos anos.
 
Hj temos redes q fazem com que os graus de separação entre eu, você e qq pessoa sejam mínimos. E por uma questão de lógica, há uma quantidade MUITO MAIOR de talentos e pessoas brilhantes que AINDA NÃO conhecemos.
 
Mas nosso modelo mental acaba limitando a nossa visão. Nos conectamos normalmente apenas às pessoas que trabalham, que trabalharam, que estudaram com a gente – ou que conhecemos em algum evento.
 
Pq não se conectar a novas formas de pensamento e conhecimento? O quanto vc comenta ou se conecta à pessoas no LinkedIn que postam um texto bacana?
 
Quem você conhece e com quem você se relaciona vão lhe trazer uma baita vantagem competitiva. E não só com quem você conhece ou concorda. Afinal, é na diversidade de pensamentos que surgem grandes insights.
 
Então reflita:
 
Quem vc precisa conhecer em 2018 e nos próximos 3 anos?
Quem precisa conhecer você?
Como sua experiência pode ajudar as pessoas?
De quais conversas vc precisa participar?
O que vc tem de especial para oferecer e compartilhar com o mundo?
 
Quem você conhece e com quem você se relaciona vão lhe trazer uma baita vantagem competitiva para os próximos anos.
Fonte: Futuro S/A

8 – Trabalhar em equipe, de forma remota e com diferentes culturas

Há alguns anos, para trabalhar, você tinha que, obrigatoriamente, ir fisicamente para um escritório – porque seu computador, seu telefone “comercial” e os documentos que você precisava para fazer seu trabalho estavam lá.
 
Com as tecnologias de hoje, o trabalho virtual já é uma realidade de muitos profissionais. E é algo que vai virar regra nos próximos anos em diversas profissões e atividades.
 
Mas isso vai exigir, além do autogerenciamento já mencionado antes, novas habilidades. Isso vai criar oportunidades de comunicar e influenciar de forma bem diferente do que é feito hoje – e este profissional vai precisar ser capaz de trabalhar em alta performance em qualquer ambiente que se encontre.
 
O trabalho virtual já é uma realidade há alguns anos para diversos profissionais e empresas. O que vamos ver nos próximos anos é a entrada de praticamente todas as empresas e profissionais atuando neste modelo.
 
E não estou falando aqui de políticas de home office. Estou falando de empresas remotas. Seus funcionários escolhem trabalhar de onde quiserem, de qq lugar do mundo. Podem ser nômades digitais, sem cidade fixa. 
 
Além disso, por conta dos avanços tecnológicos e com a ascensão das empresas da Ásia, as chances de você trabalhar em um time multicultural, com profissionais de diferentes países, será uma realidade para a maioria dos profissionais. Saber interagir, cooperar e trabalhar em equipe levando em consideração as diferenças culturais de cada país será essencial.
 
Aspectos relacionados a estilos de comunicação, de liderança, de tomada de decisão podem variar bastante de uma cultura para outra – e prejudicar a sua performance e do seu time. Prepare-se para mergulhar em um mundo verdadeiramente sem fronteiras.
 
Além de todas essas variáveis, com a intensificação de metodologias agile e a criação de squads para turbinar o desenvolvimento de produtos e soluções, saber trabalhar em equipes se tornará uma habilidade cada vez mais importante – algo que está se tornando até uma disciplina em escolas que estão reinventando seus modelos de educação.
Fonte: Futuro S/A

7 – Saber vender (muito bem) o seu peixe

Já é possível observar uma parcela de profissionais que já começa a questionar a relação tradicional de emprego. Muitos deles não veem a carreira como algo vertical (subindo na hierarquia corporativa). Acabam valorizando menos os títulos e cargos. E valorizam mais os desafios e a capacidade de aprender constantemente.
 
E caso isso não aconteça, buscar essas experiências e aprendizados em diferentes empresas. 
 
Não veremos, no curto prazo, uma extinção dos empregos. Mas já vemos hoje mudanças gigantes ocorrendo nas relações de trabalho – indo além do emprego tradicional. Algo que não era tão comum há alguns anos.
 
Nos próximos anos, veremos o crescimento das relações de trabalho onde as pessoas não necessariamente trabalharão em uma única empresa.
 
A sua renda dependerá da da sua capacidade de vender muito bem os seus talentos e como você pode gerar valor para seus clientes e para sua empresa.
Fonte: Futuro S/A

6 – Autodesenvolvimento, Curiosidade e Criatividade

O dia que você para de aprender é o dia que você para de progredir. Por isso, quem parar de aprender terá muitos desafios na carreira nos próximos anos.
 
Autodesenvolvmento, curiosidade e criatividade: habilidades que talvez sejam uma das mais importantes entre as 10 listadas aqui.
 
A era de esperar o treinamento que a sua empresa vai fornecer para você se desenvolver já chegou ao fim. Como dono da sua carreira, é você quem precisa traçar as suas estratégias de como você vai desenvolver suas fortalezas ou adquirir novas habilidades e conhecimentos.
 
E, salvo raras exceções, isso não será feito através de programas formais ou certificados – até porque a Academia tem tido muita dificuldade em acompanhar a evolução dos novos tempos. A própria Academia precisará se reinventar para continuar relevante nos próximos anos.
 
Você dependerá cada vez mais do seu autodesenvolvimento: vídeos, livros, artigos e revistas que você vai ler, pessoas que você vai conhecer, experimentando desafios totalmente novos, criando protótipos e pilotos de novas soluções, conectando-se a profissionais mais experientes…
 
Desenvolver seu “Learning Agility” vai fazer com que vc seja um profissional genuinamente interessado em SEMPRE adquirir novos conhecimentos e habilidades.
 
Alguém que está ligado no presente, mas sem tirar os olhos do futuro.
 
Desenvolver sua CURIOSIDADE para lhe transformar em alguém que está antenado ao que está acontecendo em sua realidade: no mundo dos negócios, no seu mercado e na sua indústria. Um profissional CURIOSO que busca experiências novas e desafiadoras em que possa estar sempre aprendendo.
 
Desenvolver sua CRIATIVIDADE. Porque o mundo não é mais linear, não é mais previsível. E vai demandar que vc se torne um profissional que desenvolva continuamente um repertório maior de soluções, ferramentas e aprendizados – para descobrir novos caminhos quando for colocado à frente dos desafios impensados e altamente complexos que estão por vir.
 
Comprometa-se a aprender algo novo todos os dias. Nunca pare de aprender.
Porque o dia que você parar de aprender é o dia que você vai parar de progredir.
Fonte: Futuro S/A

5 – A habilidade de fazer perguntas

Lembra daquela sensação de responder a uma pergunta que só você sabia?
Daquela nota 10 na escola.. Daquela reunião em que só você sabia aquela informação…
 
O problema é que boa parte das respostas que nos acostumamos a dar se referem a problemas conhecidos. Desafios já explorados. Conhecimentos que estão, em sua maioria, disponíveis aí no seu celular.
 
Mas, na era digital, o mundo é não-linear, incerto, multifacetado e imprevisível. E o que MENOS vamos encontrar são respostas claras e absolutas para os desafios que teremos pela frente.
 
Para encontrar as soluções, a gente vai precisar aprender a fazer algo a qual não fomos ensinados. Ao invés das RESPOSTAS já estabelecidas e inquestionáveis, vamos precisar fazer as PERGUNTAS certas. Vamos precisar trocar o caminho das respostas absolutas por um mundo de possibilidades.
 
O mundo das perguntas. Se investigarmos a origem da palavra, perguntar significa “sondar o fundo de um rio”. Quer dizer que perguntar é ir mais fundo, é investigar possibilidades e ampliar perspectivas.
 
Respostas são definitivas. Perguntas abrem possibilidades.
 
Respostas trazem certezas absolutas. Perguntas nos ensinam a estar OK com a ambiguidade natural dessa nova Era.
 
Respostas limitam a nossa visão. Perguntas ampliam a nossa perspectiva.
 
No futuro, as máquinas serão espetaculares em dar respostas.
E nós precisaremos ser espetaculares em fazer as perguntas.
Fonte: Futuro S/A

4 – Liderança Exponencial

Em um mundo onde a tecnologia avança exponencialmente, entram em cena habilidades que serão essenciais para o líder no século XXI.
 
A capacidade de ENXERGAR o FUTURO, antecipando para as pessoas o que a sua organização irá se tornar. De trazer CLAREZA para as pessoas, criando um caminho em meio a tanta incerteza e complexidade.
 
A capacidade de pensar estrategicamente. A habilidade de questionar o status quo.
De pensar diferente. De criar a DIREÇÃO. De dar um sentido a tudo que e feito diariamente. De influenciar em 360 graus: para cima, pro lado, pra baixo, pra dentro e pra fora.
 
De dar espaço para sua equipe criar e inovar. De colaborar e co-criar, independente do cargo, do título e da posição que as pessoas ocupam na empresa.
 
E de proporcionar desafios constantes – até porque boa parte dos talentos que passarão na sua organização sequer serão funcionários da sua empresa.
 
Líderes que possam potencializar o impacto de tudo que não pode ser automatizado e feito por máquinas:
 
Confiança.
Comunicação.
Inteligência Emocional.
Criar Significado e Propósito.
Relações.
Criar Estratégias…
 
Líderes que criam as condições para que o potencial e talentos de cada integrante de sua equipe sejam colocados 100% em ação.
 
Nesta Era Digital, mais do que organizações exponenciais, precisaremos de LÍDERES CATALIZADORES e EXPONENCIAIS.
Fonte: Futuro S/A